domingo, 8 de março de 2009

A História da Humanidade.



Aos alunos do 8º ano A e B

1 - Ler o texto abaixo e deixar um comentário no blog ou colocar a idéia no caderno. Não esquecer de deixar nome e série.


PENTATEUCO: CONFIÁVEL ?




Recentemente, a revista Aventuras na História publicou matéria sobre a Arca da Aliança com título “O último mistério”. Tiago Cordeiro, autor do artigo, em determinado momento afirma que “a Torah (Pentateuco) foi elaborada provavelmente entre os séculos VII e V a.C., muito tempo depois dos eventos narrados”. O assunto não pára por aí. Num curso de egiptologia numa renomada faculdade do Brasil, o professor disse que comparava o Antigo Testamento (AT) a uma brincadeira de telefone sem fio! Por outro lado, quando lemos esta porção bíblica, o Pentateuco, encontramos algumas informações históricas dignas confirmadas pela arqueologia e que ajudam a datá-la em determinado momento da história.Vamos por partes. A língua em que foi escrito o pentateuco foi o hebraico. Algumas palavras usadas pelo seu autor são claramente egípcias. O termo "selo", por exemplo, que aparece em Gênesis 41:42 em hebraico é hotam, já em egípcio é hetem. A palavra hebraica, na passagem referida acima, para linho fino na língua do AT é shesh e em egípcio é shash. Não são apenas esses casos, existem outros mais. É importante mencionarmos que esse intercâmbio entre essas duas línguas não aparece nos outros livros do AT. A evidência não para por aí. Diversos nomes mencionados na narrativa hebraica são claramente egípcios. O próprio nome Moisés é derivado do verbo egípcio mase (nascer). O nome Merari (Nm 3:17) vem da palavra egípcia mer, que significa amado. Hofni e Finéias também são nomes egípcios, sendo este último relacionado com um sacerdote no país dos faraós.Somos levados a duas conclusões até agora: (1) o autor do pentateuco conhecia bem a língua egípcia e, segundo a tradição judaico-cristã, esse autor foi Moisés (cf. At 7:22; (2) os nomes egípcios entre o povo de Israel sugerem que eles, os israelitas, estiveram ali em algum período do passado. Se não fosse assim, como esses nomes surgiriam naquela nação? Curiosamente, o apogeu da língua egípcia se deu na metade do II milênio a.C., entre os séculos XVI e XIV a.C., não em torno dos séculos VII – V a.C. Se os cinco primeiro livros da Bíblia foram escritos nessa época, por que existe neles similaridade de nomes e palavras egípcias?Diversos outros nomes importantes para o início da nação israelita são bem documentados em fontes arqueológicas. O nome Jacó, por exemplo, aparece em conexão com o nome de um chefe hykso (Ya‘qub-el), num texto do século XIII a.C. encontrado em Chagar-Bazar, na Alta Mesopotâmia. Já o nome Abraão, o pai dos patriarcas, surge entre os mais de 15 mil tabletes encontrados nas ruínas da antiga cidade de Ebla, na Síria. A grafia Aba-am-ra-am é muito próxima do hebraico ‘avraham. Os tabletes encontrados ali por Paolo Mathiae e G. Petinatto são datados seguramente entre 2500 e 2000 a.C.O nome Terah, o mesmo nome do pai de Abraão, aparece em textos assírios do fim do III milênio a.C., com a grafia Til Turakhi. O nome de alguns dos filhos de Jacó, como por exemplo Benjamin, possui correspondente acadiano (binu-yamin, povos do sul) e é também atestado no início do II milêncio a.C. Já Aser e Issacar são encontrados numa lista egípcia do XVIII século a.C. De forma significativa, esses nomes diminuem sua freqüência ou desaparecem por volta dos séculos VII – V a.C. Isso é no mínimo intrigante! Diante dessas evidências, somos levados a considerar alguns pontos: (1) Os nomes dos patriarcas bíblicos mencionados no livro de Gênesis são atestados em diversos documentos antigos, mas isso não prova que o Abraão e o Jacó bíblicos existiram; (2) esses nomes eram comuns na época em que o AT menciona a existência dessas pessoas, não nos séculos VII - V a.C. Se o AT é comparado ao telefone sem fio, pelo menos nesse ponto a brincadeira não funcionou e não teve graça, já que seu conteúdo chegou idêntico para nós!Esse é o limite da arqueologia bíblica. Ela consegue recriar um pano de fundo histórico coerente com aquele que a Bíblia narra. Por outro lado, ela não prova a ocorrência de fatos que demandam fé. Uma pergunta porém não quer calar: Se o ambiente histórico do AT é digno de confiança, por que os eventos que relacionam o homem com seu Criador não seriam? Algo a ser pensar.
Luiz Gustavo Assis é aluno do 4º ano de Teologia na Faculdade Adventista de Teologia, campus Engenheiro Coelho.
2 - Pesquisar e por no caderno, sobre como as seguintes religiões entendem a criação do mundo:
a) Cristianismo
b) Budismo
c) Islamismo
d) Hinduísmo
3 - Em 10 linhas no caderno descrever como seria o mundo se você pudesse modificá-lo hoje?
BOA SEMANA E QUE DEUS TE ABENÇOE!

7 comentários:

Fernanda disse...

Olá professor.

O que aconteceu na biblia foi verdade, como vimos que algumas coisas nós podemos ver atraves dos estudos.
Um dos meios de comunicação de Deus com nós é atraves da biblia que é a palavra DELE.
Eu acredito em sua palavra porque ela nunca falha, um exemplo breve:
OS ÚLTIMOS TEMPOS - tudo isso que está começando a acontecer já estava previsto na biblia e a melhor coisa a fazer é acreditar na verdade.

Fernanda Macedo - 8° ANO B

Ale disse...

alexandre Ragazzo 8ºA (ano)

nesse texto da para ver o seguinte:
que antes de Jesus nascer ja o pentateuco ja existia e era um dos meios de comunicação da época.
e as linguas mais usadads eram egipcio e hebreu.

dezaruiz_13 disse...

Andreza Ruiz Moreno Alves 8°ano A.

Eu estive aqui!!!

mariana da silva teixeira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mariana da silva teixeira disse...

Olá professor!!!

Li o texto, escreverei no caderno.

MARIANA-8ºANO A

M@rk!nhos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
M@rk!nhos disse...

O que se percebe nesse texto:

Esse texto fala que o Pentateuco foi escrito em hebraico e algumas palavras de seu autor são egípcias. E fala de alguns nomes Bíblicos que são derivados a língua egípcia, como Moisés, que significa nascer.